‘Em Busca da Vida’ em cartaz no Cineclube Lanterna Mágica amanhã

Amanhã (25) será exibido no Cineclube Lanterna Mágica o filme ‘Em Busca da Vida’, de Jia Zhang Ke. O longa-metragem faz parte da mostra ‘Cidades Invisíveis’, que traz 14 filmes atuais para representar um pedaço do mundo e deixar visível aos olhos do espectador o que está oculto nas cidades. As exibições serão gratuitas às quartas-feiras, às 16h, na Unisanta (Rua Cesário Mota, 8, Bloco E/Santos).

Sinopse. A antiga cidade de Fengjie ficou submersa para a construção da represa de Três Gargantas, no rio Yangtze. Han Sanming (Han Sanming) é um trabalhador de minas de carvão que viaja até o local para reencontrar sua ex-mulher, a qual não vê há 16 anos. Simultaneamente Shen Hong (Zhao Tao), uma enfermeira, também retorna a Fengjie, na intenção de procurar seu marido, que não vê há 2 anos. O reencontro com seus esposos trará consequências diferentes para eles.

Crítica – Marcelo Hessel. Acontece algo na China neste exato momento, e Jia Zhang-Ke, o cineasta mais importante do país na atualidade, está determinado a nos mostrar o quê. Leão de Ouro do Festival de Veneza, Em Busca da Vida (Sanxia Haoren, 2006) acompanha – como os seus filmes anteriores exibidos no Brasil, Plataforma e O Mundo – a transformação de gigante agrário em rolo-compressor industrial, de caricatura comunista em géiser capitalista, pela qual passa a nação oriental nos últimos anos.

A China é o verdadeiro protagonista do filme, mas há uma trama – ela segue dois personagens, o minerador Han e a enfermeira Shen Hong, ambos rumo à cidade de Fengjie. Ele está tentando reencontrar a esposa e a filha que não vê há anos. Ela está atrás do marido que sumiu sem aviso. O problema, quando chegam lá, é que Fengjie deixou de existir.

A cidade foi inundada para a construção da represa Três Gargantas, no rio Yangtze. Um primeiro estágio da inundação foi realizado na metade dos anos 90, e um segundo, que destruirá todas as casas que ainda sobraram no vale, está prestes a acontecer. Zhang-Ke, famoso por filmar em locações reais com elenco de amadores, aproveitou a finalização da obra hidrelétrica em 2006 para produzir o filme.

Enquanto acompanhamos as desventuras de Han e Shen Hong, conhecemos de perto, através do olhar sensível do cineasta, uma realidade da China que dificilmente chegaria até nós. É uma realidade sem os filtros da censura oficial e sem os pré-julgamentos do noticiário ocidental. Em Busca da Vida é o retrato límpido de como a identidade de um lugar pode mudar e levar, consigo, a identidade de seu povo.

Han e Shen Hong estão atrás de outras pessoas, mas, no fundo, procuram a si mesmos também. O problema é que a mediação entre o sujeito, o outro e o espaço que eles dividem mudou por completo. A mediação agora chega a ser uma questão meio tecnológica, meio mercantil – Han leva cigarros para ser bem recebido pelas pessoas do lugar e mostra a sua música preferida a um jovem por meio do toque polifônico do celular.

Outro momento emblemático do passeio ao passado e ao futuro que é o cinema de Zhang-Ke, atento à poesia dos detalhes: a cena em que Han relembra a paisagem da velha Fengjie pelo desenho que agora estampa o verso da nota de dinheiro.

*Marcelo Hessel – Omelete/Cineclube Lanterna Mágica

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s