Biografia de Roberto Villani, homenageado na II Mostra Temetal

Hoje, a partir das 20h, todos estão convidados a participar da abertura da II Mostra do Sindicato do Teatro dos Metalúrgicos – Avenida Ana Costa 55. Além do coquetel, os comediantes do grupo de stand up Cia. Primatas di Humor serão os mestres de cerimônia. O diretor teatral Roberto Villani será o homenageado da II Mostra Temetal.

Roberto Villani. Nasceu em Santos em 21/jun/39. Filho de Francisco Villani, funcionário público municipal e de Benedicta Pinto Nunes, viveu sua primeira experiência teatral aos 6 anos. Aluno do Colégio Coração de Maria, Villani protagonizou uma dramatização com tema de Páscoa, sob a orientação da religiosa Irmã Júlia. Em sua formação acadêmica, estudou: no Colégio José Bonifácio, no Colégio Marçal (atual Santa Cecília)e frequentou o Curso Superior de Educação Artística, na Faculdade do Carmo, de Santos. Villani é casado desde o dia 23 de abril de 1960 com Rosária, eles têm três filhos: Rosane, Rosângela e Roberto.

O Teatro Educativo. Em 1960, Roberto Villani foi contratado pelo jornal O Diário, de Santos, empresa dos Diários Associados de São Paulo, como repórter. Seis anos depois, o Villani passou a cronista desse mesmo jornal, escrevendo para a coluna ‘Coisas & Gente’ , de sua criação, todos os domingos. Essa experiência ofereceu-lhe a oportunidade de orientar o ‘Clube de Imprensa’, a partir de 1966, dentro da EPSP – Escola Profissional de São Paulo, PETROBRÁS, na cidade de Cubatão-SP. Esse Clube, entre outros criados pela Direção dessa Escola como atividades extra-classe, tinha por objetivo principal estimular os alunos (7a e 8a séries) para a leitura e redação.  Como a tarefa não era fácil, Villani começou a criar exercícios específicos, unindo suas experiências jornalísticas e teatrais. Os alunos interpretavam papéis de repórteres, de entrevistadores e  fotógrafos; participavam de exercícios para a criatividade redacional, para a interpretação de imagens mentais. O sucesso foi tão surpreendente que o Diretor da Escola, o Engenheiro Plauto Antunes Rodrigues, resolveu ampliar a carga horária do Clube de Imprensa. Era o nascedouro do método de Teatro Educativo. Motivado pelos resultados do seu trabalho, Villani passou a escrever para o jornal Notícias do Litoral, de Santos-SP, com coluna dedicada ao ‘Teatro na Escola’. Em 1967, Villani foi nomeado  membro da Comissão Municipal de Cultura (atual Secult).

Roberto Villani,  desde 1970, passou a lecionar seu Teatro Educativo em diversas escolas da região: CEFAP – Centro de Aperfeiçoamento Profissional de São Paulo, em Cubatão-SP, Colégio Ateneu Santista,  Colégio Oswaldo Cruz, Colégio São José e Colégio do Carmo (onde colocou o seu teatro da 1a a 8a séries – o teatro em sala de aula). Ministrou aulas de Teatro Educativo para internos da FEBEM do Guarujá-SP e de São Vicente-SP, para alunos da APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, de Santos. No Colégio do Carmo, ministrou aulas de Teatro Educativo para deficientes auditivos e visuais. Para professores e universitários, Villani ministrou diversos cursos de Didática do Teatro Educativo.

TV/Cinema – No final da década de 60, o Villani iniciou trabalhos com cinema. Era sua intenção criar o Clube do Cinema, em Cubatão. Chegou a fazer alguns trabalhos experimentais em 8mm e super8mm. Produziu os curtas ‘Tarzan sem tanga’, ‘O Menino que Veio do Sol’, ‘O Segundo Amor’, ‘O Rapto da Vovó’ – cujo elenco se constituía  de crianças de 4 a 6 anos. E ‘O Menino que Veio do Sol’, em suprt8mm colorido, com 40 minutos de duração. Em janeiro de 1971, o Villani idealizou e organizou em Santos o I Festival de Expansão do Teatro Infantil, o primeiro do gênero no Brasil, em regime regional. Já em 1972, ele realizou o II Festival de Expansão do Teatro Infantil, em caráter nacional. Os dois foram realizados na cidade de Santos-SP. Também nessa década, Villani trabalhou como produtor radiofônico, dirigindo o programa infanto-juvenil “Comunicação em 10 minutos”, no qual participavam seus alunos de Teatro Educativo. Esse programa era levado ao ar todos os domingos, na Rádio Clube de Santos.

Festival e Teatro – Foi diretor cultural da Federação Santista de Teatro Amador e atuou como delegado de teatro amador junto à Comissão Estadual de Teatro.  Roberto Villani é autor teatral premiado. Sua peça infantil mais conhecida é ‘Ploc, a Borboleta mais linda que já vi’, vencedora do II Festival de Expansão do Teatro Infantil, realizado em Santos, e que estreou em julho de 2000, no Japão e em setembro no Panamá. Também é diretor teatral, com apresentação de grandes espetáculos. ‘Zanzalá – O Cubatão do Futuro’, de Afonso Schimdt, ‘Festa Brasil’ (espetáculo baseado no folclore brasileiro) e ‘No Bosque dos Sabiás’, ambos de sua autoria.  Com o ‘Show da Alegria’, pequenos quadros infantis agrupados num espetáculo, Villani iniciou o que hoje é chamado de ‘animação’ para festas infantis. Tudo começou em 1970 com seu grupo denominado TERV – Teatro Educativo de Roberto Villani. O ‘Show da Alegria” foi apresentado em inúmeras entidades de assistência infantil (creches, orfanatos etc), além de asilos para idosos em caráter filantrópico. Através do Projeto Infância, Villani criou os chamados ‘Núcleos de Teatro Educativo’, que funcionavam em instituições de assistência à infância (creches, associações e antiga Febem).

Outras Vertentes – Escreveu ‘Isabel, Quermesse e Luar’, livro de contos e crônicas, numa edição independente. Escreveu também ‘Educação Artística’, obra sobre teatro, cinema, música e artes plásticas, pela editora Brasília, de Santos. Autor de estórias infantis (‘Estórias do Tio Villani’) publicadas no periódico ‘Escolinha’, editado pela Secretaria de Educação do Município de Santos. Sua obra dramática  compõem-se de diversos textos, infantis e adultos, com apresentações no Brasil, América Latina e Japão.  Há mais de 20 anos Roberto Villani ministra cursos diversos, tais como Oratória, Liderança, Criatividade Redacional, Dramática Autógena, Dinâmica de Grupo, Eficiência Pessoal etc.

Atualmente – O diretor teatral ministra cursos de teatro em São Carlos(SP), na Oficina Cultural Regional “Sérgio Buarque de Holanda”, da Secult/SP. Em Descalvado(SP), Villani mantém dois projetos: Teatro para a Terceira Idade e TERV Morada do Sol, com crianças e jovens de 3 a 15 anos. Ele ministra cursos de Oratória no curso de Direito da Universidade Camilo Castelo Branco – UNICASTELO, de Descalvado. Villani assumiu o cargo de Diretor da Divisão Cultural de Descalvado desde 2003 e, no final de 2009, recebeu o título de Cidadão Honorário de Descalvado.

*TERV – Teatro Educativo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s